#Compras online em supermercados são populares na Ásia-Pacífico

dsc01277

Aumentos contínuos em adoção de dispositivos móvel e alta penetração da banda larga, particularmente nas regiões em desenvolvimento, têm, ajudado a impulsionar as vendas online de supermercados. Regionalmente, a Ásia-Pacífico excede consistentemente a média global de aprovação de todas as opções de varejo online de alimentos. Esse é o resultado recente de uma pesquisa realizada pela The Nielsen Company.

Encomendas online para entrega em domicílio é o tipo de varejo flexível mais vulgarmente preferido e a opção na região, com particular e alto uso na China.

Mais do que um terço (37%) dos entrevistados da Ásia-Pacífico, e ainda mais na China (46%), dizem que usam serviços de compras online com entregas de supermercados. A adoção de assinaturas automáticas online são, portanto, particularmente alta na região (22% vs. 14% globalmente), com a China sendo o país que mais utiliza o serviço no mundo.

Os dados de vendas refletem o crescimento fenomenal de compras online na China. Entre 2013 e 2014, as vendas de e-commerce cresceu 40% para as 17 categorias principais pesquisadas pela Nielsen.

Porque as compras online estão tão altas na Ásia-Pacífico em comparação com o resto do mundo? Alguns fatores contribuem para isso. Em primeiro lugar, a rápida urbanização da região e a alta densidade populacional, torna a casa, um modelo de entrega economicamente viável, especialmente quando combinada com baixos custos trabalhistas, como tem sido o caso na China. Além disso, o crescente uso de smartphones criaram enorme potencial para as compras online. Finalmente, na China, em particular, as preocupações de segurança dos alimentos têm impulsionado consumidores em busca de produtos de alta qualidade.

A disposição de usar opções de venda digitais no varejo no futuro é maior nos mercados da Ásia-Pacífico (60% em média), América Latina (60%), África/Oriente Médio (59%), Europa (45%) e na América do Norte (52%).

No Brasil o comércio eletrônico de alimentos é embrionário, incipiente, pouco desenvolvido e localizado. A operação mais madura e bem estruturada é a do Zona Sul no Rio de Janeiro, mas trata-se de exceção. Em funcionamento desde 1982, o serviço começou entregando compras para a comodidade de seus clientes. A partir de 1992, o Zona Sul começou a receber pedidos por telefone e fax, facilitando ainda mais as entregas. E em 1997, foi pioneiramente criado o serviço de venda online do segmento de supermercados do Rio de Janeiro.

Portanto, a boa execução do básico, deve ser foco primário das empresas de varejo alimentar, pela sua complexidade operacional. Mas isto não deve inibir as empresas de pensar a longo prazo e integrar canais, ferramentas e modelos do mundo digital a suas operações de lojas. Consumidores não migrarão suas compras de alimentos para canais digitais rapidamente e de forma definitiva, mas poderão diversificar o perfil de compras, segmentar categorias e motivações e integrar os canais, modificando comportamento.

Por: Sebastião Barroso Felix

Assista o Vídeo do Personal Consulting

#O futuro do varejo de alimentos e a volta do leiteiro
Varejo: 11 tendências para vender mais em 2017

Olá deixe seu comentário aqui