#Principais tendências nos layouts de loja

Como acompanhar as tendências de mercado e manter a loja moderna e atualizada em termos de layout

imagem-projeto-site

A tendência cada vez mais forte é que as lojas deverão ser cada vez mais de conveniência, mais rápidas, pois os clientes têm cada vez menos tempo. Por isso as seções de rotisseria (comida pronta), congelados e hortifrúti pré-prontos irão crescer muito ainda, pois são produtos que auxiliam o consumidor a poupar seu tempo. Nesta mesma linha as empresas estão buscando otimizar seus checkouts para diminuir as filas. Inclusive para algumas empresas este é um diferencial em relação à concorrência. Para determinadas lojas o limite é que um cliente esteja pagando e outro começando a pôr suas compras na esteira. Se surgir um terceiro cliente em algum checkout alguma coisa está errada: ou algum check-out quebrou ou é um dia de pico de vendas muito forte (dia das mães, fim de ano, etc). Outras lojas por sua vez estão introduzindo a fila única e balanças nos chekouts como forma de diminuir a sensação de perda de tempo nas filas.

Como as pessoas estão cada vez mais em busca de uma vida saudável, produtos diets,lights, livres de gorduras e orgânicos terão cada vez mais espaço. E em relação aos orgânicos, não só aumentarão no setor de hortifrúti, mas surgirão outros tipos de produtos como massas, cafés, biscoitos. Num futuro próximo iremos encontrar nas prateleiras dos supermercados até ração canina orgânica. Aliás, uma outra forte tendência em supermercados é o crescimento do pet-shop. A ampliação da linha garden também se apresenta como uma forte tendência e uma grande oportunidade para varejistas.

Nas bebidas, os segmentos promissores são os vinhos, as águas e os leites que cada vez oferecem novas opções em seu mix. Devido a nova legislação sobre consumo de álcool, os supermercados estão aumentando suas vendas no segmento destes produtos e, portanto, as empresas terão que adaptar o layout, o merchandising, exposição, etc.

Os produtos descartáveis e de festas também se apresentam como uma boa oportunidade de ampliar o mix e aumentar o espaço de área de vendas, oferecendo mais conveniência e praticidade para os clientes.

Outras tendências não menos importantes é a diminuição do tamanho das embalagens para atender os singles e famílias que estão cada vez menores, a redução da mercearia, a ampliação dos perecíveis e crescimento da parte de eletro. Porém o varejista deve ficar atento, porque algumas seções estão fadadas ao desaparecimento como os CD’s e DVD’s. O crescimento dos perecíveis pode ser visto como a grande mudança ocorrida nos supermercados, desde da mudança do atendimento de balcão para o autosserviço.

Outra grande tendência de mercado que vai se consolidar de vez nos próximos anos é a introdução do autosserviço pleno. Portanto, áreas de serviço como açougue, peixaria, padaria, fatiados, rotisseria e empório devem ser substituídas por áreas de autosserviço puro. Isso porque fica cada vez mais claro que além de melhorar o atendimento, o autosserviço puro, também diminui os custos operacionais das lojas.

O uso de gôndolas mais baixas também está sendo visto como uma forte tendência. Aquela visão de utilizar gôndolas altas para poder expor mais mercadorias está ficando para trás. Hoje a visão é outra. Portanto, fornecer mais praticidade para o cliente e deixar a loja esteticamente mais agradável está se tornando mais importante do que sobrecarregar a loja de produtos na ânsia de que expondo mais dos mesmos produtos, se venderá mais.

Nota-se, porém que as tendências não mudaram muito, apenas estão sendo consolidadas nestes últimos anos, o que reforça o conceito de evolução do varejo e mostra que as mudanças são pra valer, que não se tratam de modismos passageiros, como acham ou querem alguns. Especialmente duas delas: os clientes querem cada vez mais praticidade e rapidez nas suas compras e estão cada vez mais preocupados com a saúde. Isto se reflete no aumento do consumo de pratos prontos, produtos semiacabados, diets, lights e orgânicos e na busca por lojas mais perto de suas residências e cujos checkouts não tenham filas.

É importante chamar a atenção do varejista para o fato de que essas mudanças se tratam de tendências, de evolução do mercado e que ele queira quer não, mais cedo ou mais tarde elas vão acontecer e que a única coisa que ele pode fazer e aderi-las sob o risco de se não fazê-lo ver o seu concorrente aderir e sair na frente, deixando um rastro de poeira difícil de ser ultrapassado por aqueles não aderirem ou fizerem isso tardiamente, portanto não se trata de uma opção, mas sim, de uma necessidade para a loja continuar existindo.

Por: Sebastião Barroso Felix


Olá deixe seu comentário aqui