Redes de supermercados reduzem custos com eletricidade de forma simples e rápida

Assista o Vídeo do Programa de Prevenção de Perdas

Ferramenta de gestão de energia elétrica mostra que é possível diminuir custos com praticidade e ainda colaborar com a saúde do planeta

A energia elétrica é, sem dúvida, a grande vilã nos custos dos supermercados, uma vez que, além do uso de computadores, iluminação e ar condicionado, trabalham com produtos refrigerados, que demandam muito consumo. “As grandes cargas neste setor, em geral, são o ar condicionado e o frio alimentar. Juntas, podem representar algo como 70% do consumo de energia de uma loja”, informa o gerente geral de vendas da ACS – Automação, Controles e Sistemas Industriais Ltda, Alexander Dabkiewicz, representante de uma solução de gerenciamento de energia que tem atraído pequenas, médias e grandes redes de supermercados.

Não foi à toa que a alta passou de 100% na conta com este item, em 2015, só no Estado do Paraná. O dado foi registrado pela Associação Paranaense de Supermercados (Apras), no I Encontro dos Empresários Supermercadistas, em Curitiba, onde o tema foi amplamente discutido. A nível nacional, os gastos com conta de luz se tornaram a segunda maior despesa no ano passado, segundo associações do setor, ficando atrás somente da folha de pagamento.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em 2014, o segmento utilizou 8,6 GWh, ou seja, 2,5% do consumo de energia em todo o país. E não foi apenas o setor de supermercados que sofreu o baque com o aumento. O comércio brasileiro em geral foi atingido em cheio. E mesmo com a redução do valor das Bandeiras Tarifárias, o setor ainda não se recuperou totalmente dos reajustes ocorridos em 2015.

Um dos projetos de redução de custos com energia que acabou sendo adotado por muitas empresas foi a migração para o mercado livre, uma forma de se adquirir energia elétrica por um valor negociável. A principal vantagem nesse ambiente é a possibilidade de o consumidor escolher, entre os diversos tipos de contratos, aquele que melhor atenda às suas expectativas de custo e benefício. O problema é que não basta pagar mais barato, o planeta pede mais: é necessário que as pessoas façam o uso consciente de energia.

Controle inteligente de energia elétrica e utilidades

“Há alguns meses o mercado livre tem sido uma das opções para reduzir gasto. Muitos profissionais acreditam que podem resolver este problema utilizando apenas essa alternativa, e esquecem da importância de fazer a gestão e o controle de energia. É preciso cuidar para não desperdiçar. A preocupação não deve ser apenas com o custo, mas também com o consumo de energia. É preciso economizar de forma inteligente e consciente”, diz Alexander.
Para fazer este gerenciamento do uso de eletricidade de forma prática e gastando pouco, vários supermercados aderiram a um sistema que tem feito sucesso em diversas redes em todo o país, como o Grupo Pão de Açúcar, Irmãos Muffato, Bahamas, D’Avó e Supermarket: o Follow Energy. Através deste sistema, acessível via internet, seja pelo computador, tablet ou celular, o usuário pode saber exatamente quanto está gastando e identificar oportunidades de economia. O sistema pode medir o consumo geral de uma loja e também cargas ou áreas específicas. Outra característica interessante é que não é necessária a aquisição de equipamentos e softwares para instalação da ferramenta na empresa: tudo é alugado e pago mensalmente e fica funcionando 24h, com todos os dados registrados na “nuvem”.

Uma vez com as informações fornecidas pelo sistema em mãos, o usuário poderá decidir quais métodos aplicará em sua empresa para consumir de forma sustentável e econômica, e acompanhar o antes e depois das ações implantadas. Algumas optam pela implementação do controle automático de demanda e pelo controle horário para garantir o funcionamento de máquinas no período correto; outras efetuam ajustes na operação da loja e investem na orientação e treinamento de colaboradores. Existem também outras soluções ecologicamente corretas que complementam a gestão de energia, como: a substituição de balcões frigoríficos abertos por modelos fechados, troca de lâmpadas comuns por modelos de LED, utilização de painéis solares, uso de estruturas que maximizam o uso de luz natural e substituição de equipamentos por outros mais modernos, econômicos e menos poluentes.

Cases: Supermarket, no RJ, e D’avó, em SP

No Rio de Janeiro, o Torre e Cia Supermercados S.A., mais conhecido como Supermarket,  faz uso do Follow Energy há 2 anos. Atualmente são 11 lojas gerenciando seu consumo elétrico através do sistema, com planos de expandir para mais 5 nos próximos três meses.
“Implantamos o sistema de gerenciamento de energia na rede Torre (Supermarket) para obter controle de consumo, demanda, fator de potência, e constatar se a conta está correta. Afinal, só se pode gerenciar o que é medido, e quando temos os dados de energia em tempo real a gestão fica consideravelmente melhor, evitando gastos desnecessários ao final do mês”, explica Henrique Dames, engenheiro eletricista e responsável pelo gerenciamento de energia e manutenção elétrica da empresa.

Segundo Dames, os resultados começaram a aparecer já no primeiro mês, após a instalação da ferramenta, com um retorno mensal da ordem de R$ 3.000 por loja. Já no consumo de energia, houve uma redução média de 5.000 KWh por loja.
“O Follow Energy é intuitivo e ajuda muito nos cálculos de desperdícios, o que facilita o gerente a tomar uma decisão mais acertada. A ideia é sempre instalar quando tiver uma nova loja”, conclui o profissional.

No Estado de São Paulo, onde a despesa média com energia subiu de 0,9% do faturamento dos supermercados no ano passado para 1,7% este ano, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas), a rede D’avó, sexta maior na região, também optou pelo Follow Energy por atender às necessidades que a empresa demandava, por oferecer uma gama variada de aplicações e pelo baixo custo na implementação e manutenção. Hoje, todas as 10 lojas utilizam a ferramenta.
“Com o gerenciamento é possível analisar como a energia está sendo utilizada, analisar os dados elétricos a serem contratados com a concessionária de distribuição, analisar relatórios periódicos de cada unidade e seus custos” diz a engenheira eletricista Renata Silva Sigg, Analista de Patrimônio Pleno da Rede D’Avó, empresa que é top 30 no ranking nacional de Supermercados, segundo a Abras.

“Através do Follow Energy monitoramos todas as grandezas elétricas, principalmente aquelas passíveis de multas pela concessionária de distribuição de energia. Monitoramos também a meta de consumo de energia da CICE – Comissão Interna de Conservação de Energia – de cada unidade, nos permitindo agir de forma pontual. Posso dizer que o sistema é uma ferramenta de gestão completa, afinal, energia elétrica e outras utilidades são custos e devem ser controlados”, finaliza Renata.

Por: Redação

#O seu negócio visto de perto  
#Mercado de alimentação saudável segue imune à crise

Olá deixe seu comentário aqui