#Varejistas tradicionais reforçam presença online

O crescimento acelerado do comércio eletrônico de moda tem levado varejistas tradicionais a fortalecer seus negócios na internet. Pedro Guasti, presidente da consultoria Ebit, observou que  mesmo as varejistas com mais tempo de operação on-line, como Cia. Hering, Renner e Marisa, reforçaram ações para ampliar as vendas.

A Renner, por exemplo, passou a oferecer em agosto a opção de uso do Cartão Renner para fazer compras pelo celular, usando o aplicativo da loja. “Cada serviço que a empresa lança acelera o crescimento das vendas on-line”, disse Fábio Faccio, diretor de compras da Lojas Renner. O executivo não cita números, mas afirmou que as vendas on-line da Renner crescem acima da média do varejo on-line de moda no primeiro semestre, ou seja, mais que 37,8%.

A C&A, com loja virtual desde 2015, informou que tem investido em tecnologia para tornar a experiência de compra on-line mais personalizada, e para reforçar a integração com as lojas físicas. “Houve um avanço muito grande de consumidores interessados em comprar no site e retirar na loja”, diz Paulo Correra, presidente da C&A no Brasil. Recentemente, a C&A passou a oferecer a opção de o cliente pesquisar se o produto escolhido está no estoque da loja mais próxima de seu endereço.

Entre as grandes varejistas tradicionais, a Riachuelo, do grupo Guararapes, foi a última a criar loja on-line, em junho deste ano. “Acredito que chegamos em uma boa hora. A loja já começa no seu formato definitivo, com total sinergia entre lojas físicas, site e aplicativos”, afirmou Flávio Rocha, presidente da Riachuelo. Sem citar números, o executivo disse que as vendas on-line estão acima das estimativas da companhia. Marisa, Cia. Hering, Restoque e Inbrands também possuem operações de comércio eletrônico, mas não quiseram comentar sobre o tema.

Além das varejistas tradicionais, os marketplaces [shoppings virtuais] também ampliaram o espaço dedicado à moda. Fernando Jacobucci, diretor de moda do Mercado Livre, disse que as vendas de artigos de moda cresceram 73% no primeiro semestre e já representam 24% das vendas da companhia no Brasil.

“Esse crescimento é impulsionado por ações de moda que temos feito”, disse o executivo. Jacobucci citou a realização do desfile do estilista Samuel Cirnansck na São Paulo Fashion Week, com abertura de loja virtual. A empresa atraiu neste ano 71 novas lojas oficiais de moda para o Mercado Livre.

Fonte: http://www.valor.com.br


Olá deixe seu comentário aqui